Sertanejo Eduardo Costa é denunciado por estelionato pelo Ministério Público de Minas Gerais

O cantor sertanejo Eduardo Costa e o cunhado dele, Gustavo Caetano Silva, foram denunciados por estelionato pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). A 11ª Vara Criminal da Comarca de Belo Horizonte será a responsável por analisar a denúncia recebida nessa segunda-feira (29) do MPMG.

O início das investigações foi em 2017 e de acordo com a Polícia Civil, o cantor  Eduardo Costa negociou um imóvel em Capitólio, no Sul de Minas, avaliado entre R$ 6,5 milhões e R$ 7 milhões, em troca de uma casa, de propriedade de um casal, na Região da Pampulha, avaliada em R$ 9 milhões.

Segundo informações, o sertanejo pagaria a diferença de valores com uma lancha, um carro de luxo e uma moto aquática. Entretanto, no momento do registro do imóvel de Capitólio, de cerca de 4 mil metros quadrados, o casal obteve a informação que o cantor sertanejo era alvo de uma ação civil pública do Ministério Público Federal (MPF) e de uma ação de reintegração de posse com pedido de demolição de construção ajuizada por Furnas Centrais Elétricas.

O cantor sertanejo disse, em 2018, quando prestou depoimento no Departamento Estadual de Investigação de Fraudes, em Belo Horizonte, que não agiu de má-fé e afirmou que o casal sabia das condições do terreno.

O advogado dos compradores, Arnaldo Soares Alves, disse na época que seus clientes não tinham a informação que o imóvel era alvo de ações judiciais.

A defesa do casal alega que o cantor Eduardo Costa confirmou, em juízo, que os advogados dele de São Paulo redigiram o contrato de negociação. Esta informação foi dada pelo advogado Arnaldo Alves ao portal G1, nesta terça-feira (30). De acordo com o advogado, no documento constava que todos os bens dados pelo cantor para o pagamento “estavam livres e desembaraçados de qualquer ônus”.

“Se os próprios advogados dele elaboraram o contrato, em 16 de janeiro de 2015, aos meus clientes restaram tão somente acreditar no caráter dele e assinar, achando que estavam fazendo um negócio limpo. Só depois de quase seis meses eles detectaram que o imóvel estava sendo alvo de duas ações”, contou o advogado.

O advogado ainda informou que está em tramitação na Justiça uma ação na esfera cível em que o casal exige o pagamento de uma multa prevista no contrato e de indenização por danos material e moral.

O Ministério Público de Minas Gerais informou que não vai se manifestar sobre esse assunto. Da mesma forma, a assessoria de imprensa do cantor Eduardo Costa também informou que não vai se pronunciar sobre o caso.

Da redação do Acontece na Bahia

Ver completo...