“Querem apelar para a opinião pública”, diz Pamella após carta de DJ Ivis

Pamella Holanda contou ter recebido uma suposta carta de Iverson de Souza Araújo, o DJ Ivis. Em vídeo publicado em seu perfil no Instagram nesta sexta-feira, 23, ela diz que a carta foi lida por um dos advogados dele por meio de uma ligação. Para ela, essa é “mais uma das estratégias da defesa dele.”

No vídeo, ela afirma que estava alimentando a filha no momento em que recebeu a ligação. Um dos advogados, que é também amigo pessoal do cantor DJ Ivis, entrou em contato com ela para ler a carta que teria sido escrita pelo ex-marido.

Nessa carta ele tenta apelar para o meu emocional. Fala o quanto tem sido difícil, também falou um pouco da Mel, mas muito pouco, e no final me pede perdão”, relata Pamella. “Eu fiquei ouvindo, mas em nenhum momento demonstrei nada, porque sabia que eles iam fazer isso. O tempo inteiro o advogado me perguntou o que eu achava daquilo”.

Pamella disse ao advogado que não queria que tivesse chegado a esse extremo na vida dela, dele e da filha, que é por quem principalmente precisam ter uma responsabilidade maior: “Não vejo ninguém se preocupando com ela, principalmente ele que é o pai”. Na ligação, ela disse ainda que “tava todo mundo orando por ele”. “Ninguém queria que isso tivesse acontecido. Quando digo ninguém, me incluo 100% nisso”, contou em vídeo.

Sobre os áudios de brigas entre o casal, supostamente vazados, Pamella conta que sabia da existência deles e que poderiam ser usados contra ela. “Ele sempre gravava todas as nossas brigas, produzia defesa pra ele, porque sabia que estava errado. Contra fatos não há argumentos, contra imagens também não. Ele apagou as imagens da nossa casa anterior, mas meus advogados conseguiram recuperar.”

Tem imagens dele me ameaçando com uma faca. Tem gravações com áudio dele falando que vai me mandar matar e que já estava há um ano planejando se separar de mim e que não tinha nada no nome dele, nem casa, carro, nada”, continua Pamella Holanda.

A ex-esposa de Ivis afirma acreditar que os áudios foram publicados como estratégia para descredibilizá-la: “Querem apelar para isso. Para a opinião pública. Querem me pintar de louca. Desequilibrada. Sempre soube. Eu consigo vir aqui com tranquilidade, não que eu esteja preparada, mas eu tinha noção do que poderia ser usado contra mim para me difamar, injuriar, para dizer que eu era uma péssima mãe. Porque vai ser usado tudo o que puder para o pedido de liberdade dele ser aceito”.

Ainda em vídeo, ela conta que teve depressão pós-parto e que precisou tomar medicações. Pamella conta que fez terapia desde o fim da gestação e tomou os medicamentos que podia naquele período. “Estava grávida e não poderia tomar qualquer remédio. Logo depois do parto ainda tomei medicamento.”

Depois do desmame da filha, ela continuou o tratamento. “Fui diagnosticada mesmo com depressão pós-parto, tanto por fatores hormonais como também pela vida que eu estava tendo como pai da minha filha. Um ambiente hostil, em que eu era agredida o tempo inteiro”, relata.

Pamella finaliza afirmando que teme perder a guarda da filha, o que ela acredita ser a estratégia da defesa do ex-marido. “Vão tentar fazer com que as pessoas me crucifiquem, duvidem, me julguem. Eu tenho que ficar vendo e lendo todos os maiores absurdos que eu já vi em toda minha vida calada. Porque até o que eu falo aqui podem usar contra mim, tudo que eu falo, tenho que provar. Estou completamente ferida”, finaliza.

Da redação do Acontece na Bahia

Fonte:Portal OPOVO

Ver completo...