O delegado responsável pela investigação sobre a queda do avião que levava a cantora Marília Mendonça, Ivan Sales, afirmou nessa quinta-feira (25), que a aeronave caiu um minuto antes do pouso. O acidente com a cantora e sua equipe foi registrado na cidade de Piedade de Caratinga, a 243 km de Belo Horizonte, no dia 5 de novembro.

O delegado de polícia informou que o piloto da cantora havia feito contato por meio de rádio com uma aeronave que estava próxima, informando sobre o início dos procedimentos de pouso.

“Em momento algum o piloto relatou qualquer tipo de problema na aeronave”, contou o delegado.

A investigação da Polícia Civil procura identificar eventual responsável pelo acidente aéreo. O delegado informou que existem duas hipóteses sobre o motivo do acidente: o choque contra uma linha de transmissão de energia da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) e problemas no motor do avião.

“Aguardamos o laudo do Cenipa [Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos] para ver se, com a conclusão, será possível afirmar que os motores não apresentaram nenhum tipo de defeito”, explicou o delegado, se referindo a laudo que é produzido pela equipe técnica da FAB (Força Aérea Brasileira).

O Crea-MG (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais) informou, por meio de nota, que abriu um processo administrativo para verificar a instalação e a operação das linhas de transmissão de uma torre da Cemig, que foi atingida antes da queda da aeronave,”assim como também o levantamento dos dados e dos estudos de segurança relativos à instalação do aeroporto”.

O uso de algum tipo de droga ou bebida alcoólica por parte dos pilotos, da cantora e da equipe, foi descartado pelo IML (Instituto Médico-Legal), que também descartou a hipótese de mal súbito durante o voo.

Estavam no avião o piloto Geraldo Martins de Medeiros; o copiloto Tarciso Pessoa Viana; o assessor Abicieli Silveira Dias Filho, tio de Marília; e o produtor Henrique Ribeiro, além da cantora Marília Mendonça.

Marília Mendonça iria fazer um show em Caratinga (MG), quando aconteceu o acidente com o bimotor King Air C90A, faltando um minuto para o pouso.

Veja a nota do Crea-MG:

“O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG) informa que está fazendo levantamento documental das atividades técnicas relacionadas à instalação e à operação das linhas de transmissão de uma torre da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), atingida antes da queda do avião ocupado pela cantora Marília Mendonça, culminado na sua morte e de mais quatro vítimas. Assim como também o levantamento dos dados e dos estudos de segurança relativos à instalação do aeroporto. Tal procedimento é burocrático e não investigativo. A ação do Crea-MG, iniciado imediatamente após a ocorrência, é em função de o acidente ter envolvido estruturas que são acompanhadas por engenheiros. O objetivo é identificar os profissionais responsáveis por tais atividades para colaborar nas investigações se acaso for demandado”.

Da redação do Acontece na Bahia

Assuntos relacionados

Jacaré é morto a tiros por policiais após dilacerar braço de bebê e atacar tio em lago de GO

Uma notícia tem gerado bastante repercussão nas redes sociais nesta segunda-feira (3) e surgiu após a declaração feita pela Polícia Militar de Goiás que afirmou que foi preciso matar a […]

São Gabriel: Acidente envolvendo uma moto e animal na rodovia tira a vida de enfermeira e deixa outra pessoa ferida

Uma triste notícia está circulando nas redes sociais nesta segunda-feira (3). Isto porque na noite desse sábado (1º) uma mulher morreu e outra ficou ferida em um grave acidente entre […]